segunda-feira, agosto 18, 2014

O que o lixo me deu


Eu era Criança-Menina
Um Pássaro Sujo 
e com fome

E o lixo me deu
certa vez
um saco repleto de livros;
uns bonecos tristes e mutilados
e um caderno velho de poemas

que eu lia pros gatos;
que eu lia pra lua
que eu lia na rua
quando lá não havia ninguém.

E o lixo me deu outras coisas:
porque lá atiravam
pneus em chamas
então o lixo me deu minha primeira queimadura;

porque lá atiravam cacos de vidro
então o lixo me deu meus primeiros ferimentos;

porque lá atiravam animais que morriam
então o lixo me deu o cheiro podre
do corpo sem alma.

O lixo me deu
certa vez
uma caixa com muitas memórias dos outros:
cartões com figuras em alto-relevo
que guardavam mensagens de desejos de felicidades eternas;
cartas para um amor distante;
pequenas anotações ordinárias;
fotografias em sépia.

O lixo meu deu
misturada a cor amarela daqueles papéis
uma miséria que era maior que a miséria
que eu tinha,
e eu senti com força
a força de toda saudade do que não existia
e um gosto
de tempo
de resto
e ruína.

Eu era uma Criança-Menina.
Eu era a Menina Encardida
que ninguém queria amar.

Eu lia poemas pros gatos;
eu lia poemas pra lua;
eu lia poemas na rua
quando lá não havia
ninguém.

3 comentários:

Laércio J. Pereira disse...

Triste, forte, e belo.

Laércio J. Pereira disse...

Triste, forte, e belo.

Nerito (Samuel Medina) disse...

Ser ou não lixo pode ser questão de ponto de vista, mas essa imagem é tão pungente que desfaz qualquer hipócrita distanciamento. Há quem construa com sobras.
Fiquei imaginando uma espécie de fantasia onde um grupo de pessoas, para fugir de nossa sociedade, passam a viver numa daquelas enormes ilhas de lixo localizadas no pacífico.
Lógico que a imagem não é minha Lemony Snicket já havia desenhado algo assim muito antes...
Beijo.
Nerito