terça-feira, julho 17, 2012

Mulheres em trânsito.



Fui a casa da mãe. O irmão me recebeu aos berros: 
- Sua magrela, seu carango não era preto?
Dizendo isso, avançou feliz, como uma criança de quem nunca roubaram o doce, para meu carro, que estava coberto de poeira branca.
- É tudo culpa do inverno- Me justifiquei. – Sereno a noite toda e essa secura durante o dia. A sujeira gruda mesmo.
Eu falava para as paredes, pois o irmão já estava desenhando nos vidros do automóvel. Além de pequenas figuras indecentes, escreveu em caixa alta uma frase obscena, dessas que já são comuns em partidas de futebol: “ Vai tomar no cu fedaputa”.
Olhei para aquilo, achei engraçado e não fiz força alguma para apagar.

Então os dizeres ficaram lá. Por dois dias, creio. E esse tempo curto acabou sendo o suficiente para  que  eu chegasse a algumas conclusões sobre como as pessoas se comportam diante de uma "palavra feia" desenhada num carro de mulher.

No primeiro dia, eu dirigia pela avenida Vilarinho, não muito longe de casa. Um moço vinha logo atrás de mim e percebi que ele buscava,com certa aflição,um espaço à minha esquerda. Parecia ansioso por me dizer algo.
Conseguiu. Me disse:
- Moça !
( Acho engraçado ouvir as pessoas me chamando de moça. Engraçado mesmo).
- Pois não? – Respondi de cara muito ruim.
- Você viu o que escreveram aí atrás, no seu vidro?
- Ah, no vidro.. vi sim... Por quê?
Ele me olhou com uma cara estranha. Provavelmente estava esperando que  eu perguntasse,ao mesmo tempo espantada e emputecida “  Vi não! O que escreveram??????”
- Você viu?? Mas é um palavrão!
-Vi... Foi meu irmão que escreveu. Achei engraçado e resolvi não apagar.
- Você também, hein? – Ele disse, com um jeito meio brincalhão. ----Tem irmão pequeno, né?
- Não... meu irmão tem 33 anos.
Houve um breve silêncio.
O homem então concluiu sua fala: - Nossa, quando eu vi o palavrão, fiz de tudo pra te avisar, porque vi que você era mulher e não é legal, né? Mulher ficar andando por aí com uma  palavra feia dessa escrita no vidro do carro...
 Aí fui eu que  olhei para ele com uma cara estranha. Fiquei pensando: “ Puxa, será que a mulher desse cara não tem cu?”
Apenas lhe disse: -Ah, moço, tem galho não... O senhor se divertiu, não foi? É bom para alegrar o povo, não é?
Naquele dia eu estava bem humorada. Sorte dele.

Então a luz verde do  semáforo se acendeu para todos nós que estávamos transitando por aquela via, naquela mão de direção, naquela manhã de sol frio  de inverno.


No dia seguinte, quase no mesmo horário, subindo a Bahia, mais uma vez num sinal vermelho, um rapaz todo musculoso,acompanhado por um exemplar fotocopiado de si mesmo,abriu o vidro do carro dele, buzinou para mim, o que me fez também abrir o vidro do meu carro, pois pensei  se tratar de coisa séria.
 Ele gritou, de uma maneira meio mal educada, meio ofendida, sei lá:

- Pega mal!
Olhei para ele com cara de pessoa que escuta, mas não entende bem as palavras.
- Pega mal! -Ele repetiu, gritando mais alto e fazendo uma expressão ainda mais feroz.
- Tá falando do que , menino? –perguntei, nem me lembrando da obscenidade lá de trás.

- O que tá escrito, pega mal pra uma mulher.

Então entendi. Era a tal da palavra feia.
 Me fingi de égua e perguntei o que estava escrito. Ele engrossou a voz para responder: - Vai tomar no cu fedaputa.
 Eu ri. E disse pra ele, antes de arrancar:
- E por que você não foi até agora?

6 comentários:

Nerito disse...

Muito bacana! O boyzinho deve estar com a cara amarrada até agora... rs...

Dora Delano disse...

ahuahauauha adoro quando desconstroem essas ideias feitas sobre o feminino.

Blenda Karolline disse...

kkkkkk morri de rir... Amei Amei!

Érika Amâncio disse...

Fantástico! Sua cara, Teodora, sua cara...

Guilherme de Carmo disse...

kakakakaka... Adorei esse gesto carinhoso de humor estranho, gosto das coisas estranas e comuns ao mesmo tempo do cotidiano...

Anônimo disse...

Estava lembrando de um dos seus causos do trânsito ontem. Só vc mesmo Si, rs. Bjs