quarta-feira, março 20, 2013

Eu sei

Eu sei
ousei flertar com claridades
mas sou filha do breu
e agora me recolho
barroca e contorcida

(Oh, minhas frágeis asas de cera
e um Verão inteiro em minha cama, ardendo)

Não quero a Lua lasciva
inchada de beleza e horror

( ah, essa adorável música de loucos....)

Não quero a saudade do mar
Não quero  misérias de amor

(Oh, minhas frágeis asas de cera
e um Verão inteiro em minha cama, ardendo)

Em meu desejo, deusas, despudoradas, desfilam.





7 comentários:

Nerito disse...

Nunca deixamos de querer. Respirar é querer, mas também é esquecer, render-se à dissolução e à ruína.

Dora Delano disse...

Também sou dessas que querem tudo...

Rodrigo disse...

Já eu, não sou dessas...

Sara disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Nerito disse...

Simone, acho que o comentário acima é de um robô...

Simone Teodoro disse...

Só pode, Samuca.... kkkkkkkkkk

Maddie disse...

Hi, Nice post thanks for sharing. Would you please consider adding a link to my website on your page. Please email me back.

Thanks!

Madison
maddie0147@gmail.com