terça-feira, julho 24, 2007

ROSA SELVAGEM


A minha pele pulsa pela angústia do toque, o seu, reinventando meu corpo sonoro,
de significados tão novos, tão sublimes e contraditórios
Esse veneno chamado desejo
corroendo minhas veias
você me habitando
tão absurda
e delicada
me fazendo chorar de desespero
Meus olhos sempre
Carregados de amor
insano é gozar sobre teu corpo orvalhado
demente
louca
como uma rosa selvagem

Um comentário:

Franz Znarf disse...

resolvi começar por aqui...nem sei se vai ver este recado nuhnca se confere os recados de baixo rsrsrsrs... mas fico meio encabulado de comentar este e entrar assim em suas particularidades publicas de modo indevido.mas posso dizer Rosa que tao doce cicuta, embreaga os olhos espreitos de vontades da carne onde baila,cada um, com um ser em particular.